Alvaro Dias defende redução de juros para expandir crédito rural

Em sabatina realizada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o candidato do Podemos à Presidência, senador Alvaro Dias (PR), defendeu, esta quarta-feira (29/08), a redução da taxa de juros como forma de expandir o crédito rural. No evento, em Brasília, o presidenciável também se disse a favor da reintegração de posse de terras de forma sumária e da melhoria da infraestrutura do país para escoamento de safra.

“Se adotarmos uma política com taxas de juros compatíveis com a nossa realidade, o governo não precisaria subsidiar o crédito rural”, afirmou o parlamentar. Alvaro Dias ressaltou ainda que, nos últimos anos, o superávit comercial brasileiro vem ocorrendo por causa do desempenho do setor. “Certamente os governos ainda não entenderam o valor e a importância da agricultura”, assinalou.

A CNA representa 5 milhões de produtores rurais comerciais brasileiros, de pequeno, médio e grande portes e de variados ramos de atividade. Para uma platéia lotada, o candidato prometeu punir com maior rigor os invasores de propriedade privada no país. “Como um país pode ser leniente com invasões de propriedade privada?”, questionou. Ele afirmou que pretende trabalha para que o Código de Processo Penal seja modificado, a fim de determinar a reintegração de posse sumária após a invasão da propriedade.

Alvaro Dias destacou que o Brasil precisa investir em logística e infraestrutura, em especial no transporte multimodal, como forma de melhorar o escoamento da produção. O parlamentar defendeu ainda a reforma tributária, como força motora para o desenvolvimento do país. Também prometeu melhorar o ambiente de negócios e atrair o investimento estrangeiro. “Investimentos estrangeiros foram expulsos pela corrupção e incompetência. Precisamos mudar nossa imagem para o mundo”, finalizou.

Atualidade de Hipólito da Costa – Sugestão de Leitura

Condenado pelo Tribunal do Santo Ofício, entre 1802 e 1805, o diplomata brasileiro Hipólito José da Costa ficou preso em Lisboa, vítima da odiosa inquisição. Auxiliado pela maçonaria, fugiu para Londres, onde editaria de 1808 a 1822 o primeiro jornal brasileiro: “Correio Braziliense”. Morreu na Inglaterra em 1823 e somente em 2001 os seus restos mortais foram trasladados para o Brasil. No longo exílio nunca deixou de pensar no futuro brasileiro. É o patrono da cadeira 17 da Academia Brasileira de Letras. Em 1808, profeticamente, advertia: “Só a prosperidade do povo é quem faz a prosperidade do governo, que quando se põem obstáculos, e entraves ao progresso e propagação das ciências, devem ficar tão raros os homens sábios, que quando o governo precisa deles, não os acha; e vê-se obrigado ou a lançar mão de um homem instruído, mas sem moral; ou de um homem bom, mas estúpido e ignorante, e quanto menor é o número de gente instruída, menos probabilidade há de que o Estado seja servido por homens virtuosos e sábios.” “Leia o artigo de Hélio Duque na integra clicando aqui”

Alvaro Dias anuncia que isentará de IR quem ganha até R$ 5 mil

Durante caminhada pelo calçadão de Osasco (SP), o candidato do Podemos à Presidência da República, senador Alvaro Dias (PR), anunciou, esta quinta-feira (23/08), que isentará da cobrança de Imposto de Renda (IR) aqueles que ganham até R$ 5 mil. “Logo no início do governo, nós vamos decretar: o trabalhador que ganha até R$ 5 mil por mês não pagará imposto de renda. Para consumir mais, para poder ir à loja e comprar, para poder viver melhor”, destacou o presidenciável.

De acordo com Alvaro Dias, a medida resultará em um aumento na arrecadação de impostos. “O governo vai arrecadar mais porque esse dinheiro no consumo vai gerar outros impostos. Vamos tributar mais na renda do que no consumo. O consumo atinge o pobre, o trabalhador, e preço dos produtos aumenta porque o tributo é muito alto. Você vai no posto de gasolina, e 45% (do custo do combustível) é imposto. Quem pode mais, vai pagar mais. Quem pode menos, vai pagar menos. Este é o Brasil que queremos”, discursou.

O senador anunciou também que seu governo abrirá 4 milhões de vagas em creches. “As mães poderão exercer sua atividade profissional de forma mais tranquila, sabendo que o seu filho está sendo bem cuidado em uma creche”, disse Alvaro Dias. Outra medida será a criação do cheque-creche. “A mãe poderá escolher se ela quer colocar o filho em uma creche pública ou em uma creche privada”, explicou o parlamentar, que estava acompanhado da presidente nacional do Podemos, deputada federal Renata Abreu (SP), do prefeito de Itapevi (SP), Igor Soares Ebert, e de vereadores da região.

Alvaro Dias lembrou que o seu governo regularizará 5 milhões de títulos de propriedade. No evento, ressaltou que a proprietária será conferida à mulher. “Nós vamos priorizar a mulher, a dona de casa, a chefe do lar. Ela será a proprietária do imóvel”, pontuou o candidato. “Atualmente, a casa não lhes pertence. A qualquer momento há brasileiros que podem ser despejados. Nós vamos oferecer a legalização de sua casa, o documento de registro do imóvel, seja na favela, no loteamento ou na área rural”, prometeu.

O candidato do Podemos ressaltou ainda que seu governo criará mais de 10 milhões de empregos em quatro anos. “Aqueles que prometem gerar empregos sem mudar o sistema estão mentindo. Nós vamos mudar o sistema e criar mais de 10 milhões de empregos. A economia vai crescer, os investimentos voltarão. Os empresários terão segurança jurídica para investir mais. Com a Operação Lava Jato, que vamos instituir como política de Estado, vamos mostrar ao mundo que o Brasil voltou a ser sério. E os recursos e investimentos que foram embora do país, voltarão”, concluiu.

As dinastias familiares – Sugestão de Leitura

Originário da Idade Média, o objetivo do feudalismo é marginalizar o poder central, estabelecendo a relação de dependência entre vassalos e suseranos. O suserano é dono de um feudo e a grande maioria da população é dependente e se submete à vassalagem. O vassalo é um subordinado submisso que se entrega à dependência do senhor feudal. A realidade política brasileira, expressada nas atuais legendas partidárias, submete a sociedade aos valores de um tempo feudal. Os partidos políticos, ao invés de buscar a arte de bem governar para o interesse comum, transformaram-se em máquinas de preservação dos interesses pessoais e de corporações grupais. A esperteza astuta entende que o Estado deve ser provedor de vantagens, inclusive familiares, como vem acontecendo.“Leia o artigo de Hélio Duque na integra clicando aqui”

Alvaro Dias anuncia que regularizará 5 milhões de títulos de propriedade

O candidato à Presidência pelo Podemos, senador Alvaro Dias (PR), anunciou, durante compromisso de campanha em São Paulo, esta segunda-feira (20/08), que regularizará 5 milhões de títulos de propriedade durante os próximos quatro anos de governo. “Uma das metas do nosso governo é uma grande ação social de legalização dos imóveis. Nós pretendemos entregar a 5 milhões de brasileiros, durante os quatro anos de governo, o documento para que ele se torne proprietário na favela, no loteamento ou na área rural”, afirmou Alvaro Dias.

“Todos os brasileiros querem morar com dignidade e segurança. Muitos estão em casas que não os pertencem. Nós queremos oferecer essa documentação”, acrescentou. Para o presidenciável, a medida facilitará o acesso da população a diversos serviços essenciais, como esgoto sanitário, coleta de lixo, água tratada e energia. “Com isso, valorizaremos a condição de cidadão do indivíduo e impediremos a expansão das favelas, além de reduzir a criminalidade, a informalidade e a depredação do meio ambiente. Ou seja, vamos melhorar a qualidade de vida das pessoas”, ressaltou o parlamentar.

Em Jardim São Luís, na zona sul de São Paulo, Alvaro Dias visitou o projeto Orpas (Obras Recreativas, Profissionais, Artísticas e Sociais), uma ONG que promove a integração da comunidade por meio de intercâmbios, desenvolvimento econômico, cultura e formação profissional, que atende cerca de 200 pessoas.

Acompanhado dos candidatos a deputado federal Geraldo Rufino e ao Senado Mário Covas Neto, além da presidente nacional do Podemos, deputada federal Renata Abreu (SP), o senador defendeu a refundação da República como forma de romper com o atual sistema corrupto e incompetente. “O modelo de governo atual, com esse estágio de subdesenvolvimento e desigualdade, foi construído pela elite dirigente do país. Queremos justamente romper com esse sistema a fim de criar uma relação de responsabilidade e proximidade com a sociedade”, finalizou Alvaro Dias.

Sepulcros caiados – Sugestão de Leitura

A vida pública deve ser exercida com proficiência, competência e vocação na convicção de ser um servidor do seu povo. Abastardar esses princípios no exercício da função publica é trair o sentido maior da representação popular. Arrivistas despreparados no exercício da administração pública, em todos os níveis, vêm invadindo a vida política brasileira com audácia incomum. São sepulcros caiados. O professor Jairo Nicolau, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, é autor de um livro essencial para entender a representação do Brasil político contemporâneo. “Representantes de Quem? Os (des)caminhos do seu voto da urna à Câmara dos Deputados”. Retrata o desvirtuamento dos homens públicos, na sua maioria, investidos de mandatos e a desarrumação geral do sistema eleitoral brasileiro.  “Leia o artigo de Hélio Duque na integra clicando aqui”

Alvaro Dias participa de encontro com empresários do ramo de comércio e serviços

O senador Alvaro Dias (Pode-PR), participou, esta terça-feira (14/08), do evento Diálogo com os candidatos à Presidência da República, promovido pela União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs), em Brasília. Composta por oito entidades, a Unecs reúne mais de 500 líderes e empresários destes setores.

Para um auditório lotado, o presidenciável do Podemos alertou sobre o risco de se fazer a escolha errada na eleição deste ano. “Estamos vivendo um momento dramático e, se não houver consciência, lucidez, poderemos assistir à reedição da tragédia”, assinalou. “O diagnóstico tem que ser pessimista. Se eu fizesse um diagnóstico otimista, vocês teriam direito de dizer que sou um descarado”.

“Quando vejo um empresário fazendo escolhas equivocadas, eu me pergunto: se chateou por ter trabalhado muito e está enojado, mas quer destruir a riqueza que construiu?”, questionou Alvaro Dias. “É um momento de lucidez porque se não vamos reeditar a tragédia que estamos vivendo”, acrescentou.

Ele defendeu a institucionalização da Operação Lava Jato como forma de acentuar o combate à corrupção. “Estamos em guerra contra a incompetência e contra o modelo corrupto de governo do balcão de negócios, do aparelhamento do Estado, de loteamento de cargos públicos, da relação promíscua entre os poderes. Nossa guerra é contra o sistema”, disparou o senador.

Questionado sobre o combate às drogas, o presidenciável disse que pretende criar uma frente latino-americana para combater a produção e o tráfico de drogas. O presidenciável elogiou o Sistema Único de Saúde (SUS), ressalvando, contudo, que o mesmo precisa ser melhor gerido. Alvaro Dias estabeleceu como prioridade ainda o investimento na educação da primeira infância. A jornalistas presentes no evento, Dias criticou o aumento de 16,38% a ministros do Supremo Tribunal Federal. “É um aumento descabido, especialmente neste momento”, ressaltou.

Alvaro Dias economizou mais de R$2.000.000 em recursos públicos

Alvaro Dias se recusa a receber benefícios concedidos a parlamentares, como auxílio-moradia, verba indenizatória, e abre mão da aposentadoria especial dada a ex-governadores do Paraná. O senador também deixa de usar boa parte da verba de passagens a que tem direito. Com isso, contabilizando apenas os anos de 2015, 2016 e 2017, o senador economizou para os cofres públicos o total de R$ 2,1 milhões. Já pensaram se todos os parlamentares e ex-governadores fizessem o mesmo? #ADComunicação

Mateus primeiro os meus – Sugestão de Leitura

O historiador britânico Eric Hobsbawm, no livro “Era dos Extremos”, ensina: “O futuro não pode ser uma continuidade do passado”. No mundo desenvolvido a sociedade entende que no presente devem-se implantar mudanças enxergando o futuro. No Brasil é diferente. Uma elite política econômica e uma casta burocrática no Legislativo, Executivo e Judiciário que se alarga nos agentes públicos estatais, cultivam o inverso. Preferem a ironia de um lendário poeta árabe que pregava:“Vamos viver o presente, o futuro é uma incógnita e o passado já se foi”.  O debate público vem conseguindo moldar a opinião pública não no enfrentamento da realidade deformada, mas na manutenção privilegiada dos seus interesses. Ignoram a modernidade e o caminho do futuro. O corporativismo e o patrimonialismo estrangulam o Estado. “Leia o artigo de Hélio Duque na integra clicando aqui”